O que fazer com Jesus Cristo?

Postado por Erike Couto

Escrito por C. S. Lewis¹

“O que fazer com Jesus Cristo?”. Esta é uma questão que tem, em certo sentido, um lado desesperadoramente cômico. A figura de uma mosca sentada decidindo o que vai fazer com um elefante possui elementos cômicos. Pois a verdadeira questão não é sobre o que nós vamos fazer com Jesus Cristo, mas o que Ele vai fazer conosco. Contudo, talvez, o questionador quis dizer o que fazer com Ele no sentido de “como resolveremos o problema histórico a nós lançado pelos ditos e feitos registrados desse Homem?”. Esse problema envolve reconciliar duas coisas. Por um lado, tem-se a quase geralmente admitida profundidade e sanidade de Seu ensino moral, que não é muito seriamente questionado, mesmo por aqueles que se opõem ao Cristianismo. Na realidade, acho que, quando estou discutindo com pessoas extremamente anti-Deus, elas preferem fazer o seguinte apontamento: “Sou inteiramente a favor do ensino moral do Cristianismo” – e parece ser de aceitação geral que, no ensino desse Homem e de Seus seguidores imediatos, a verdade moral é exposta da maneira mais pura e melhor. Não é idealismo desleixado, é cheia de sabedoria e argúcia. O seu todo é realista, revigorado ao mais alto nível, o produto de uma mente sã. Este é um fenômeno.

O outro fenômeno é a natureza muito espantosa dos comentários teológicos desse Homem. Todos vocês entendem o que digo, e quero realmente ressaltar o ponto de que a afirmação espantosa que esse Homem parece fazer não é feita meramente em um momento de Sua carreira. Há, é claro, aquele momento que levou à Sua execução. O momento em que o sumo sacerdote Lhe disse: “Quem és tu?”. “Eu sou o Ungido, o Filho do Deus eterno, e me verás aparecendo no fim da história como o juiz do Universo”. Mas tal afirmação, de fato, não termina nesse momento dramático. Quando se olha para Sua conversa, será encontrado esse tipo de afirmação presente em toda a história. Por exemplo, Ele caminhava dizendo a pessoas: “Eu perdôo os teus pecados”. Ora, é bastante natural que um homem perdoe algo que se faça a ele. Assim, se alguém me trapaceia em cinco libras, é bastante possível e razoável para mim dizer: “Bem, eu lhe perdôo, não tocamos mais no assunto”. O que você diria se alguém a você devesse cinco libras e eu dissesse: “Tudo bem, eu perdôo a ele”? Daí, parece que algo curioso escapa quase por acidente. Em uma ocasião, esse Homem está sentado em um monte observando Jerusalém e de repente surge um extraordinário comentário: “Sempre vos envio profetas e sábios”. Ninguém comenta sobre isso. No entanto, muito repentinamente, quase incidentalmente, Ele está afirmando ser o poder que, pelos séculos, tem enviado sábios e líderes ao mundo. Eis aí outro comentário curioso: em quase todas as religiões existem desagradáveis observâncias como o jejum. Esse Homem, de repente, comenta em certa feita: “Ninguém precisa jejuar enquanto eu estiver aqui”. Quem é esse Homem que observa que Sua mera presença suspende todas as regras normais? Quem é essa pessoa que pode, de repente, dizer à Escola que eles podem ter um período de meio-feriado? Às vezes, as declarações propõem a suposição de que Ele, o Orador, é completamente sem pecado ou culpa. Essa sempre é a atitude. “Vós, para os quais eu falo, são todos pecadores”, e Ele nunca, sequer remotamente, sugere que a mesma reprovação pode ser dirigida contra Ele. Ele diz novamente: “Sou o unigênito Filho do Único Deus; antes que Abraão existisse, Eu sou” (e lembre-se o que as palavras “Eu sou” significavam em hebraico. Eram o nome de Deus, que não devia ser falado por qualquer ser humano, nome que, se declarado, condenava à morte).
Bem, esse é o outro lado. De um lado, ensino moral claro, definido. De outro, afirmações que, se não verdadeiras, são as de um megalomaníaco, comparadas com as de que Hitler era o mais são e humilde dos homens. Não há meio-caminho e não há paralelo em outras religiões. Se você tivesse ido até Buda e lhe perguntasse: “Tu és o filho de Brahma?”, ele teria dito: “Filho meu, ainda estás no vale da ilusão”. Se você tivesse ido até Sócrates, e lhe perguntasse: “Tu és Zeus?”, ele teria rido de você. Se você tivesse ido até Maomé e lhe perguntasse: “Tu és Alá?”, ele teria primeiramente rasgado as próprias vestes e, depois, decepado sua cabeça. Se você tivesse perguntado a Confúcio: “Tu és o Céu?”, acho que ele teria provavelmente replicado: “São de mau gosto comentários estranhos à natureza”. A idéia de um grande mestre moral dizendo o que Cristo disse está fora de cogitação. Em minha opinião, a única pessoa que pode dizer aquele tipo de coisa é ou Deus, ou um completo lunático sofrendo daquela forma de ilusão que solapa toda a mente do homem. Se você acha que é um ovo cozido, enquanto está procurando uma fatia de torrada para lhe cair bem², talvez você seja são, mas se você pensa que é Deus, não restam chances para você. Podemos notar, de passagem, que ele nunca foi considerado como um mero mestre moral. Ele não produziu esse efeito em qualquer das pessoas com quem Ele realmente encontrou. Ele produziu principalmente três efeitos: Ódio, Terror, Adoração. Não há resquícios de pessoas expressando aprovação moderada.

O que fazer para reconciliarmos os dois fenômenos contraditórios? Uma tentativa consiste em dizer que o Homem não disse realmente essas coisas, mas que Seus seguidores exageraram a história, e assim desenvolveu-se a lenda de que Ele lhes havia dito aquilo. Isso é difícil, pois Seus seguidores eram todos judeus; isto é, eles pertenciam à nação que, dentre todas as outras, era a mais convicta de que havia somente um Deus – de que não poderia existir outro. É muito estranho que tal terrível invenção sobre um líder religioso tivesse se desenvolvido no meio do povo, na face da terra, menos propenso a cometer esse engano. Pelo contrário, temos a impressão de que nenhum de Seus seguidores imediatos ou mesmo os escritores do Novo Testamento apegaram-se tão facilmente à doutrina.

Outro ponto é que, segundo essa visão, seria preciso considerar as narrativas do Homem como sendo lendas. Ora, como historiador literário, eu estou perfeitamente convencido de que, o que quer que os Evangelhos sejam, eles não são lendas. Tenho lido um grande número de lendas, e estou bastante certo de que eles não são o mesmo tipo de coisa. Não são artísticos o suficiente para serem lendas. De um ponto de vista imaginativo, eles são desajeitados, não se conectam a coisas adequadamente. A maior parte da vida de Jesus nos é totalmente desconhecida, assim como é a vida de qualquer um que viveu naquele tempo, e nenhuma pessoa construindo uma lenda permitiria que assim o fosse. Exceto por pedaços dos diálogos platônicos, não há conversas que conheço, na literatura antiga, como o Quarto Evangelho. Não há nada, mesmo na literatura moderna, até aproximadamente cem anos atrás, quando o romance realista veio à existência. Na história da mulher apanhada em adultério, é-nos dito que Cristo se curvou e rabiscou na areia com Seu dedo. Nada advém disso. Ninguém jamais baseou qualquer doutrina nisso. E a arte de inventar detalhezinhos irrelevantes para tornar mais convincente uma cena imaginária é uma arte puramente moderna. Ter realmente acontecido não seria, claramente, a única explicação dessa passagem? O escritor expôs a situação dessa maneira, simplesmente porque a havia visto.


Então, chegamos à mais estranha história de todas, a história da Ressurreição. É muito necessário deixá-la clara. Ouvi um homem dizer: “A importância da Ressurreição é que ela dá evidências de sobrevivência, evidências de que a personalidade humana sobrevive à morte”. Para essa visão, o que aconteceu com Cristo seria o que havia sempre acontecido com todos os homens, a diferença sendo que, no caso de Cristo, fomos privilegiados de ver tudo acontecendo. Isso, certamente, não é o que os escritores cristãos primitivos pensavam. Algo perfeitamente novo na história do Universo acontecera. Cristo havia vencido a morte. A porta que sempre estivera trancada foi, pela primeira vez, deixada escancarada. Isso é bem distinto de mera sobrevivência do espírito. Não quero dizer que eles desacreditavam na sobrevivência do espírito. Pelo contrário, eles acreditavam nisso tão firmemente que, em mais de uma ocasião, Cristo teve de assegurar-lhes de que Ele não era um espírito. O ponto é que, enquanto acreditavam na sobrevivência, ainda consideravam a Ressurreição como algo totalmente diferente e novo. As narrativas da Ressurreição não são um retrato de sobrevivência após a morte; registram como um modo de ser totalmente novo surgiu no Universo. Algo novo apareceu no Universo: tão novo como o primeiro surgimento de vida orgânica. Esse Homem, após a morte, não fica dividido em “espírito” e “cadáver”. Um novo modo de ser surgira. Essa é a história. O que fazer com ela?

A questão é, suponho, se qualquer hipótese cobre os fatos tão bem quanto a hipótese cristã. Essa hipótese é a de que Deus desceu até o Universo criado, até a humanidade – e subiu novamente, puxando-a consigo. A hipótese alternativa não é lenda, nem exagero, nem as aparições de um espírito. É loucura ou mentiras. A menos que alguém possa aceitar a segunda alternativa (e eu não posso), volta-se para a teoria cristã.

“O que fazer com Jesus Cristo?” Não existe questão quanto ao que podemos fazer com Ele, é inteiramente uma questão de o que Ele pretende fazer conosco. Você deve aceitar ou rejeitar a história.

As coisas que Ele diz são muito diferentes das que qualquer outro mestre disse. Outros dizem: “Esta é a verdade sobre o Universo. É por este caminho que deveríeis ir”, mas Ele diz: “Eu sou o Caminho, e a Verdade, e a Vida”. Ele diz: “Nenhum homem pode alcançar a realidade absoluta, a não ser por Mim. Se tentares reter tua própria vida, serás inevitavelmente arruinado. Dá de ti mesmo, e serás salvo”. Ele diz: “Se te envergonhas de Mim, se, quando ouves este chamado, tu te voltas para o outro lado, Eu também olharei para o outro lado quando voltar como Deus, sem disfarce. Se algo está te afastando de Deus e de Mim, o que quer que seja, lança isso fora. Se é teu olho, arranca-o. Se é tua mão, decepa-a. Se te colocares em primeiro lugar, serás o último. Venham a Mim todos os que carregam um fardo pesado, e Eu consertarei esse problema. Teus pecados, todos eles, são apagados, Eu posso fazer isso. Eu sou Renascimento, Eu sou Vida. Come-Me, bebe-Me, Eu sou Tua comida. E, finalmente, não temas, Eu venci o Universo inteiro”. Essa é a questão.

Notas:

1. Tradução: Djair Dias Filho. C. S. LEWIS, ‘What are we to make of Jesus Christ?’, In: ____________. C. S. Lewis – Essay Collection: Faith, Christianity and the Church. Londres: HarperCollins, 2002. Reimpresso de Asking Them Questions, Third Series, editado por Ronald Selby Wright (OUP, 1950), reproduzido em Undeceptions (1971) e God in the Dock (1998).

2. Torrada com ovo cozido, refeição tipicamente inglesa. (Nota do Tradutor).

Extraído de http://cristianismototal.wordpress.com/2010/06/17/o-que-fazer-com-jesus-cristo/

Um Messias "cristão" em um antigo poema judaico (Parte 1)

Postado por Erike Couto

Visitando alguns sites israelenses há algumas semanas, me deparei com um site católico que tinha estudo no mínimo ousado: em um dos estudos do site, o autor afirmava que um trecho de um piyut encontrado no Machzor que, aparentemente falava do Messias judaico que há de vir, na verdade falava sobre o Messias Jesus! Li com calma o trecho da oração e, para a minha surpresa, realmente ela parece falar sobre Jesus Cristo. Colocarei aqui o texto original, a transliteração e a tradução dele feita por mim e comentada ad nauseam no Facebook (agradeço especialmente aos amigos Igor Miguel, Aíla Pinheiro e Davi Almeida pelos comentários e ajuda na tradução).


Original

Tradução Transliteração
Então, desde antes de "No princípio" / A Bela Morada e o Perene estabeleceu

Talpiot nas alturas, desde o princípio / Projetou antes que houvesse povo e língua

Aconselhou à Sua Divina Presença ali repousar / e guiar os errantes nas sendas retas

Se a iniquidade enrubesceu / Ele antecipou o "lavem-se" e "purifiquem-se"

Se com Sua fúria se enfureceu contra a Sua Temível / O Santo não ascendeu toda a Sua ira

Estávamos sujeitos em nossas ambições até agora / Nossa Rocha não berrou contra nós

Apartou-se de nós o Messias da Nossa Justiça / Ficamos aterrorizados, e não havia quem nos justificasse

Nossas transgressões e o jugo de nossas iniquidades / Ele carregou e foi ferido por causa de nossas iniquidades

Suportou sobre o ombro os nossos pecados / Ser achado como perdão por nossas transgressões

E por sua ferida nós fomos sarados / Ó Eterno, agora é o tempo para criará-lo como nova criatura

Do círculo elevá-Lo / Para desde Seir soltá-Lo,

Para anunciar a nós no Monte do Líbano / Uma segunda vez, por meio do Perene
'az millifnei bere'shit / Naveh veYinnon hishit

Talpiot marom meri'shon / Tikkan térem kol am velashon

Shichnô "atz sham lehashrot / Shogim lehadrich bid'rachei yesharot

Resha" 'im he'ediym / Rachatzu vehizzakku hiqdiym

Qétzef 'im qatzaf be'ayumatô / Qadosh lo' ya"iyr kol chamatô

Tzummatnu bevitz"enu "ad "attah / Tzurenu "aleinu lo' ga"tah

Panah mennu Meshiach Tzid'kenu / Pullatznu ve'ein mi letzaddekenu

"avonoteinu ve"ol pesha"einu / "Omês vehu' mecholal mippesha"einu

Sovêl "al shéchem chattô'teinu / Selichah metzô' la"avonoteinu

Nirpa' lanu bachavuratô / Netzach beriyyah chadashah livrô'tô

Mechug ha"alehu / MiSe"iyr had'lehu

Lehashmiy"enu beHar haLevanon / Sheniyt beyad Yinnon



Este pelo poema judaico foi composto por Eliezer Kalir. Nascido em algum ponto do séc. VII ao séc. X d.C, ele foiu um dos mais profícuos e antigos poetas litúrgicos. Mais sobre a vida dele pode ser encontrado na Enciclopédia Judaica. Um dos seus poemas mais conhecidos, "Az Lifnei Bereshit", é uma ode à glória de Deus que existia antes de haver Mundo e às coisas criadas por Ele para o sustento de Israel. Neste link é possível visualizar o Machzor¹ com este poema completo com uma tradução para o inglês e, nas páginas 231 e 232, pode-se ver o trecho cuja tradução se encontra acima.

Quem lê tanto a tradução acima quanto a que está no antigo Machzor se espanta com a semelhança entre o que é dito ali e com o Messias delineado no Novo Testamento, conhecido como Jesus. Farei alguns comentários que elucidarão alguns pontos do poema, evidenciando ainda mais essas semelhanças.

No verso 1, encontramos duas palavras hebraicas, "Naveh" e "Yinnon". Esses são os nomes dados ao Templo e ao Messias, respectivamente, na literatura mística judaica. O primeiro é baseado no seguinte versículo:

"Olha para Sião, a cidade das nossas solenidades; os teus olhos verão a Jerusalém, habitação (Navêh) quieta, tenda que não será removida, cujas estacas nunca serão arrancadas e das suas cordas nenhuma se quebrará." (Isaías 33:20)

E em Êxodo 15:13:

"Tu, com a tua beneficência, guiaste a este povo, que salvaste; com a tua força o levaste à habitação (navéh) da tua santidade."

Já a segunda denominação (Naveh) foi tirada deste versículo bíblico:

"Permaneça o seu nome eternamente; continue a sua fama (Yinnon, em hebraico) enquanto o sol durar , e os homens sejam abençoados nele; todas as nações o chamem bem-aventurado." (Salmos 72:17).

O trecho "enquanto o sol" é "lifnei hashemesh" em hebraico é literalmente "diante do sol" ou "antes do sol". Por causa do caráter explicitamente messiânico, da obscuridade em volta da palavra Yinnon e do significado ambíguo de "lifnei shemesh" (que pode ser entendido "antes [de existir] sol"), os judeus entenderam que o verso original "lifnei shemesh inon shmô" significa "antes de existir sol, seu nome já era Yinnon". Ainda que "Yinnon" seja um verbo e signifique "estabelecido", "o que é continuado", foi tomado por eles como um dos nomes próprios do Messias.

"Talpiot", no verso 2, é um hapax legomenon² na Bíblia Hebraica. Essa palavra se encontra no livro de Cantares, no seguinte verso: 

"O teu pescoço é como a torre de Davi, edificada para pendurar armas (heb.: talpiot); mil escudos pendem dela, todos broquéis de poderosos." (Cânticos 4:4)

Um dos significados atribuídos a Talpiot é de "tal piot", isto é, "monte de fios (de espadas ou armas)". Esse termo foi utilizado na tradição mística judaica ao Templo, a Jerusalém, ao Jardim do Éden (ou ao Paraíso) etc³ . Lembrando que há conexões, em diversos ligares da Bíblia, entre o Éden e Israel/Jerusalém/Templo, como em Gênesis 13:10, Isaías 51:3 e, no próprio Novo Testamento, na Carta aos Hebreus. Por isso os rabinos fizeram essa conexão dentro de uma única palavra.

Mas, segundo o poema, o Templo e o Messias já existiam "desde antes de 'No princípio'"? Sim! Isso parece muito com a idéia que João escreveu em seu Evangelho, ao falar do Verbo Divino (Jo 1:1) e com o que vemos de Templo Espiritual em Hb 8:1-2,5:

Ora, a suma do que temos dito é que temos um sumo sacerdote tal, que está assentado nos céus à destra do trono da majestade, Ministro do santuário, e do verdadeiro tabernáculo, o qual o Senhor fundou, e não o homem [...] como Moisés divinamente foi avisado, estando já para acabar o tabernáculo; porque foi dito: Olha, faze tudo conforme o modelo que no monte se te mostrou. (Hebreus 8:1-2,5)
Perceba a semelhança entre "ministro do verdadeiro santuário [...] o qual o Senhor fundou" com "A Bela Morada e o Perene estabeleceu", verso 1 do poema. Mas o poema encontra base para esse verso na tradição que se acha no Talmude Babilônico:

שבעה דברים נבראו קודם שנברא העולם, ואלו הן תורה ותשובה וגן עדן וגיהנם וכסא הכבוד ובית המקדש ושמו של משיח.
"sete coisas foram criadas antes que fosse criado o Mundo, e elas são: a Torá e o arrependimento, o Paraíso e o Inferno, o trono de Glória e o Templo, e o nome do Messias". (Talmude Babilônico, tratado Pesachim 54b).
Para dar base às coisas criadas antes do Mundo, os rabinos usaram versículos bíblicos. Para o nome do Messias, utilizaram o versículo de Sl 72:17, justamente o que fala de "Yinnon" (ou "o Perene").

Em breve publicarei mais um post com a Parte II deste estudo.

Notas:

1) Machzor (cuja tradução é "ciclo", "período") é o nome dado ao livro de orações que é utilizado especificamente na época de Rosh Hashaná (Ano Novo Judaico) e no Yom Kippur (Dia da Expiação ou Perdão). Ele é repleto de orações místicas e poemas medievais, belamente compostos para expressar a profundidade desse período de juízo divino e confissões de pecados.

2) Hapax Legomenon significa "dito uma única vez" e se refere aos termos que aparecem somente uma vez em todos os textos bíblicos.

3)  http://www.etzion.org.il/vbm/archive/10-jeru/17jeru.php