Qédem - קדם - "Antiguidade diante de nós"

Postado por Erike Couto

Marcadores: , ,

O primeiro post deste blog será sobre uma palavra que considero tão bela quanto enigmática: קדם - qédem (e sua raíz multifacetada).

Ela aparece cerca de 100 vezes na Bíblia Hebraica, quase sempre na forma substantiva da raíz: קדם - qédem. Nesta forma, ela significa, em algumas passagens, "oriente", como em Genesis 10:30, "E foi a sua habitação desde Messa, indo para Sefar, montanha do oriente (הר הקדם - har hakédem)". Em outras passagens, principalmente no contexto profético das Escrituras, ela significa "passado, tempos antigos". Um exemplo deste uso se encontra em Isaías 23:7, "É esta, porventura, a vossa cidade exultante, cuja origem é dos dias antigos (מימי קדם - mimei qédem), cujos pés a levaram para longe a peregrinar?".

Você pode estar se perguntando porque significados tão estranhos se entrelaçam em uma mesma palavra não é mesmo? Para completar este quadro, existem versículos que apontam um terceiro significado, na forma verbal da palavra: ir adiante de, adiantar-se, avançar. Vê-se isso em Jonas 4:2, "E orou ao SENHOR, e disse: Ah! SENHOR! Não foi esta minha palavra, estando ainda na minha terra? Por isso é que me preveni (קדמתי - qiddamti), fugindo para Társis, pois sabia que és Deus compassivo e misericordioso, longânimo e grande em benignidade, e que te arrependes do mal". Estranho não? Significados aparentemente sem correlação alguma para nós em uma única raíz. Isso mesmom para nós, pois para os antigos habitantes do Oriente Próximo, exta raíz expressa a visão de mundo deles. Devemos pensar como orientais para compreendermos estas correlações.

O sol era a referência de trabalho e de jornada dos antigos hebreus e povos do Oriente Antigo. As direções eram referênciadas ao movimento solar no céu. Por exemplo, a palavra מזרח - mizrách - outra palavra para "oriente", vem do verbo זרח - zarách - que significa "nascer, aparecer reluzindo (o sol)". Já a palavra מערב - ma'arav - significa "ocidente", e vem da raíz ע.ר.ב que significa "nebuloso, escuro, misturado" (pois o sol se põe no oeste, ocidente, deixando tudo escuro e nebuloso). Qédem indica o lugar onde o sol nasce pois ele "se adianta, se antecipa, primeiro" nasce lá. Como este lugar era referência para a localizão espacial dos hebreus antigos, quando eles queriam dizer "diante de nós", ele também utilizavam esta palavra. Vemos isso em Salmos 139:5: "Tu me cercaste por detrás - אחור, achor - e por diante (קדם - qédem), e puseste sobre mim a tua mão".

Qédem é o que está diante do hebreu em termos espaciais (o oriente). Mas, diferente de nós, ocidentais, modernos, capitalistas exacerbados e consumistas desenfreados, em termos temporiais, o que se encontra diante dele é o seu passado, e não o seu futuro. O registro do passado, na Antigüidade de modo geral e para os hebreus particularmente, era essencial pois era ele que traria a memória os grandes atos do passado para a alegria contínua e fidelidade à aliança (no caso do Deus de Israel) e asseguraria um futuro seguro, tranqüilo, com a não ocorrência dos mesmos erros anteriormente cometidos, no caso das derrotas (Deuteronômio 27:2-3: "Será, pois, que, no dia em que passares o Jordão à terra que te der o SENHOR teu Deus, levantar-te-ás umas pedras grandes (monumento à memória), e as caiarás. E, havendo-o passado, escreverás nelas todas as palavras desta lei (o memorial para o futuro de algo ocorrido no passado - o Êxodo - e dado no passado - a Lei), para entrares na terra que te der o SENHOR teu Deus, terra que mana leite e mel, como te falou o SENHOR Deus de teus pais."). Este passado era o que estava "diante" deles (daí qédem com o significado de passado, dias antigos), sempre sendo rememorado. Já o seu futuro era desconhecido, estava "atrás" dele (do hebreu), em um lugar onde ele não poderia enxerguar, escondido. Somente os profetas poderiam "enxergar" o que estava "atrás" deles (אחור - achor, "atrás"). Eles enxergavam o "final dos dias" (אחרית הימים - acharit haiamim) futuro, através do Espírito Santo.

Estas ligações que ocorrem na língua hebraica são riquíssimas e nos trazem conceitos antigos e muito interessantes. Finalizo esta reflexão por agora, mas ainda escreverei mais um post sobre esta raíz numa próxima oportunidade. Este próximo comentário sobre esta raíz considero muito profundo, principalmente para quem crê na Redenção vindoura e plena para o Mundo. Peço somente que aguardem : ) .

Erikebenavraham

Boas-Vindas

Postado por Erike Couto

Marcadores:

Olá gente boa! Estou inaugurando meu blog (ou blogue, como um amigo meu gosta de escrever). Para ser breve - já que gosto de falar muito (no caso aqui, escrever), podendo ser enfadonho - irei resumir em uma simples palavra no que se destina este recém criado blog: etimologia.

Para termos um bom 'pré-começo' na postagem dos comentários aqui, irei explicar, etimologicamente, a origem (seria uma redundância?!) da palavra etimologia.

"Etimologia" vem da palavra grega ἐτυμολογία (para aqueles que desconhecem a língua de Platão, ai vai a transliteração: étimologia). Partindo-a em duas partes, como um pão francês, temos ἔτυμον (étimon), que significa "(sentido) real, verdadeiro" e λογία (logía), que significa "estudo (de algo)". Então, poderiamos traduzir isso tudo como "o estudo do senso verdadeiro, real, correto, das coisas". Já na antiguidade esta expressão era usada, sob a forma adverbial de ἔτυμως (étimôs), com o significado bem próximo do atualmente usado, que é o de "analisar uma palavra etimologicamente, a sua origem"[1].

Você deve estar se perguntando: "Que coisa mais estranha! Para quê serve esse tipo de estudo?". Ai eu respondo: Para muita coisa!! O título (à propósito, me perdoem pela demora em explicar o título) já nos indica para que serve: ככתוב (kakatuv). Esta expressão tem sua origem na língua hebraica rabínica (isto é, na língua falada entre os séculos I e VIII d.C pelos Sábios de Israel), e significa "aquilo como está escrito". E, aquilo que está escrito nas palavras é muito mais do que simplesmente símbolos gráficos que se aglomeram e formam fonemas, morfemas e estruturas línguisticas que emitem sons e nomeiam as coisas. As palavras escritas contém histórias, relatos, verdadeiras epopéias, que partem muitas vezes de épocas remotas da antiguidade (como as palavras hebraicas ou egípcias) e que nos dizem muito sobre o modo de viver, agir, pensar, interagir e mudar o mundo ao seu redor.

Aproveitando o ensejo, quero também explicar o porquê desta palavra em específico: optei por ela pois, além de me remeter significamente e diretamente ao que mencionei a pouco sobre as palavras (é como se kakatuv significasse "o tesouro que está escrito nas palavras"... pelo menos na minha mente vem isso!), também me remete a assuntos que estão ligados a alguém que dedico minha existência: ao Deus Eterno! (já que kakatuv é uma palavra que foi usada normalmente em um ambiente religioso judaico). Iremos sim tratar de teologia. Não sou teólogo, mas somente um curioso. Mas espero que minhas singelas reflexões possam de algum modo ser utéis ao leitor. Até porque, se tudo que o homem faz aqui na Terra faz por causa de uma busca incessante pelo Criador Supremo, não podemos deixar de falar sobre aquilo que está ligado direta ou indiretamente a Ele não é mesmo?

Interessante é que, como Ele sabe que somos infinitamente inferiores em nossas forças e anseios para conseguirmos alcançá-Lo (mesmo que estas forças e anseios sejam expressos com toda a nossa existência), Ele mesmo se encarrega, frequentemente, de ir ao nosso encontro, Se revelando a nós. E, como é sabido, para trazer esta revelação, Ele se utilizou da escrita, para que a aquilo que Ele quisesse nos dizer ficasse registrado para a posteridade, e passado de geração a geração.

Postarei algo comentando sobre atualidade, música, arte, cinema, esportes, notícias marcantes etc? Claro! Não é por se focar na reflexão sobre etimologias que este blog deixará de refletir sobre as etimologias incrustradas nestas diversas áreas da cultura humana. O estudo da língua, das palavras, de suas relações e suas ancestralidades, conjuntamente com os fatos ocorridos no passado, entre os povos da Antigüidade, seus valores e visão de mundo são tão importantes para nós, hoje, em pleno século XXI, pois de alguma forma nosso viver hoje está permeado de ligações com estes elementos que cremos pertecerem somente ao passado distante ou aos livros de empoeiradas bibliotecas.

O aprofundamento nesses assuntos nos traz a memória nossos erros, fragilidades e incertezas como seres humanos. Mas também nos mostra o quanto somo seres pensantes, criativos e desejosos por avançar e crescer em nossas vidas, em construir algo, mesmo que seja ponto somente um tijolo. neste grande edifício da História, sob a supervisão do Criador do Universo.

Farei deste espaço virtual um local de reflexões próprias. Utilizarei comentaristas, teoricos, pensamentos etc, mas sempre partirá de uma reflexão pessoal sobre a vida, utilizando como base a semântica das palavras, que moldam-na e dá forma às idéias, seres e objetos ao nosso redor.

Até...

Erikebenavraham